segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Posto de Turismo


Abriu no dia 7 de Junho de 2004 o primeiro Posto de Turismo de Albergaria-a-Velha. Neste espaço central, junto ao tribunal, o visitante poderá encontrar a mais diversa informação sobre os 15 concelhos que fazem parte da Região de Turismo da Rota da Luz: Águeda, Albergaria-a-Velha, Arouca, Aveiro, Castelo de Paiva, Estarreja, Ílhavo, Murtosa, Oliveira de Azeméis, Oliveira do Bairro, Ovar, S. João da Madeira, Sever do Vouga, Vale de Cambra e Vagos.

Para além de folhetos turísticos sobre estes concelhos, estão disponíveis guias temáticos (artesanato, gastronomia, museus, etc .), percursos de fim-de-semana, agendas de eventos e mapas.

Nesta fase experimental, o Posto de Turismo estará aberto até final de Setembro, todos os dias úteis, entre as 9h00 - 12h30 e 14h00 - 17h30. Porém, se a afluência se justificar, a Câmara Municipal não coloca de parte a hipótese de manter este novo espaço aberto durante todo o ano.

CMA

Posto de Turismo

-->

Nota: apenas esteve aberto nesse ano.

Acta 21/11/2012

Vereador António Loureiro (CDS) – questionou sobre a existência de dados estatísticos sobre o número de visitantes/turistas que entram no município, mencionando a existência de um posto de turismo no centro da cidade, tendo o Sr. Presidente informado que não é possível contabilizar esses números, após o que deu a palavra ao Sr. Vereador Dr. José Licínio, que informou que o posto de turismo é da competência e responsabilidade da Região de Turismo do Centro e a sua abertura ocorreu somente num ano e foi sazonal, pelo período de três meses, com um colaborador pago pela referida entidade. Concluiu referindo que é prestado apoio aos visitantes do município, quer pelos serviços do edifício dos Paços do Município, quer pelos serviços do Cineteatro Alba, que se complementam pelos seus horários de funcionamento

Autores da Nossa Terra

Entre 7 e 30 de Setembro de 2009 estará patente na Biblioteca Municipal a exposição "Autores da Nossa Terra".

[Fundo Local - secção Albergaria-a-Velha]

Por Fundo Local entende-se toda a produção bibliográfica respeitante ao Concelho de Albergaria-a-Velha e regiões limítrofes. Aqui encontram-se obras referentes à história local como monografias, artigos, jornais locais e distritais e obras de referência. A Documentação ocupa cerca de 2,70m de estanteria e não é permitido o empréstimo.

Infomações constantes da Wikipédia:

---- Escritores do concelho de Albergaria-a-Velha

---- Livros sobre Albergaria-a-Velha

Autores

- Alexandre de Albuquerque
- António Augusto de Miranda
- Eugénio Ribeiro
- Silvino Vidal
- Vasco de Lemos Mourisca
- Clélia do Carmo
- José Ilídio
- António Homem de Albuquerque Pinho
- António de Pinho
- Delfim Bismarck Ferreira
- Ricardo Nogueira Souto
- Nélia Maria Martins de Almeida Oliveira
- Armando Carvalho Ferreira
- Martim Gonçalves Coelho
- Domingos Bismarck
- Mário Jorge Lemos Pinto
- Bento Álvares Ferreira
- Daniel Gomes da Conceição
- ...

Com ligações a Albergaria:

- Jacinto de Almeida
- Maria Celina dos Santos
- Noémia Davim
- Maria Irene Santos
- António Fernandes Andrade
- Edite Andrade
- ...

domingo, 30 de agosto de 2009

Albergaríadas e Albergaria Sem Fronteiras


Albergaríadas

Foi presente uma informação da Dr.ª Nélia Oliveira, datada de 29.08.2000, sobre o assunto em epígrafe, que se transcreve:

Informo o Senhor Presidente da Câmara Municipal que no ano de 1999 reiniciámos a actividade desportiva e cultural denominada ALBERGARÍADAS, e, que colheu forte adesão, essencialmente, entre as populações das freguesias limítrofes do concelho.

Esta iniciativa que se pretende realizar no mês de Setembro, tem diversas características tais como: não é de índole competitiva; é um convívio e encontro de gerações, que de certa forma dá as boas vindas ao ano escolar.

Em termos de calendarização prevê-se que tenha o seu início no próximo dia 2 de Setembro e termine a 5 de Outubro no Complexo Desportivo da Branca com as seguintes modalidades: Subida ao Mastro, Corrida de Sacos, Jogo do Pião, Petanca e finais das provas de Malha e Futsal ou Futebol de 5.

As modalidades que as Colectividades acharam por bem desenvolver são as seguintes: FUTSAL, BTT, JOGOS TRADICIONAIS (sueca, jogo do pião, malha, corrida de cantarinhas, petanca, corrida de sacos e subida ao mastro), GINCANA DE BICICLETAS E PESCA DESPORTIVA.

É de salientar que após várias reuniões com as Colectividades Concelhias, o número de associações a manifestarem intenção em participarem nas Albergaríadas / 2000 foi aumentando. Na última reunião, das 17 (dezassete) colectividades convidadas compareceram 11 (onze) que se mostraram empenhadas em participar uma vez mais nesta actividade cultural e desportiva.

Albergaria Sem Fronteiras

Os Jogos mais divertidos do Verão estão de volta! O “Albergaria Sem Fronteiras 2003”, uma organização da Câmara Municipal, vai pôr as freguesias a suar e as claques a gritar nos dias 17, 18 e 19 de Julho.

Na primeira edição dos Jogos em 2002, a equipa de Albergaria saiu vencedora, mas todas as freguesias juntaram-se à festa numa verdadeira demonstração de desportivismo e saudável convívio. Este ano, espera-se o mesmo ambiente de festa, com algumas novidades que prometem mais dinamismo ao evento. A primeira novidade diz respeito ao local de realização dos Jogos, que vai passar da Alameda 5 de Outubro para o recinto exterior do Pavilhão Gimnodesportivo de Albergaria-a-Velha, uma área mais adequada para a grande afluência do público. A segunda novidade, por seu lado, consiste numa pequena mudança das regras dos Jogos. Na primeira edição, somente as duas melhores equipas das duas eliminatórias passaram à Final. Este ano, todas as equipas vão passar à última prova com os pontos acumulados das eliminatórias. Assim sendo, quem obtiver uma melhor pontuação na primeira fase, partirá para a Final com uma maior vantagem. E quem tiver uma menor pontuação... Bem, terá uma última oportunidade para mostrar o que vale!

Mas, independentemente de vencer ou perder, o mais importante é contribuir para um emocionante espectáculo!

CMA

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

A Gíria de Albergaria nos séculos passados

[Da autoria de Patricio Theodoro Álvares Ferreira foi encontrado] o esboço de uma obra intitulada Gíria de Albergaria-a-Velha (Alberga A Géba), já ordenado alfabeticamente, mas em algum mau estado, que logo na abertura diz:

"se fores a Alberga A Géba não galres por giria que até os Gelfos e Duques te intrujem".

in A Gíria de Albergaria nos séculos passados - Jornal de Albergaria 10/09/2002

sábado, 22 de agosto de 2009

Medalhas

Imagem incluída no último Boletim Municipal referente à entrega de medalhas ocorrida em Abril de 2009.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

"Espiga" promoveu viagem ao passado


No fim-de-semana de S. Martinho (11 e 12 de Novembro de 2004), a Associação Sócio-Cultural, Recreativa e Desportiva "A Espiga" organizou a I Exposição Etnográfica e Mostra de Artesanato na sua sede em Casais, S. João de Loure. Com um total de 610 peças antigas, cedidas por dezenas de habitantes da freguesia, esta exposição pretendeu mostrar à comunidade, especialmente aos mais jovens, como se vivia na primeira metade do século XX.

De entre os vários objectos de grande valor que estiveram em exposição, podia-se encontrar um oratório em madeira de 1881, xailes centenários e um rádio da primeira metade do século passado (que ainda funciona!). Também foi possível admirar peças curiosas, tais como uma máscara de gás trazida por um emigrante português em França durante a Segunda Guerra Mundial, quando as bombas Nazis ameaçavam a população. Outra peça única é o diário de José Rodrigues de Mello, datado de 1747. Neste documento, este ex-seminarista, que andou muito tempo fugido das autoridades para não ter de cumprir o serviço militar, faz referência a importantes acontecimentos, não só da terra, mas também da Europa, tais como as Invasões Francesas comandadas por Napoleão Bonaparte.

No exterior da sede, o espaço foi dedicado às ferramentas de trabalho e alfaias agrícolas, tais como a charrua, o arado ou a serra de cortar árvores de grande porte. Também foi possível apreciar alguns artesãos a trabalharem ao vivo, fazendo cestos, esteiras, ou tecendo a lã, após ter sido cardada e fiada.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Requalificação do Monte da Senhora do Socorro


Fazer do Monte da Senhora do Socorro um espaço público de lazer, sem perder a sua função principal que é a religiosa, é o principal objectivo de um projecto que a Câmara Municipal elaborou, a pedido da Irmandade da Nossa Senhora do Socorro.

Promover o turismo religioso e potenciar o local, que é pertença da Diocese, de grande qualidade paisagística, são outros dos objectivos, de acordo com João Agostinho, presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

“A Câmara Municipal ofertou o projecto que é bastante ambicioso, mas que se for equilibrado poderá servir a Igreja e a comunidade”, explica o padre Querubim que acrescenta: “Por envolver o santuário é preciso que as coisas avancem com mais calma”. “No momento, o projecto está muito parado porque não há possibilidades económicas e existem indefinições que não permitem avançar para já com o projecto”, adianta o padre Querubim.

(Leia a notícia na íntegra na edição da 1.ª quinzena de Março de 2008 do Beira Vouga)

Fernanda Ferreira, Beira Vouga, 29/02/2008

Nossa Senhora do Socorro


Arrasta-se no tempo o hábito da romaria à colina do Bico do Monte, em Albergaria-a-Velha, onde todos os anos se realizam as festas em honra de Nossa Senhora do Socorro.

Reza a tradição que, no dia 15 de Agosto ou imediatamente no Domingo seguinte, milhares de devotos se desloquem ao santuário erguido na confluência das freguesias de Albergaria-a-Velha, Branca e Valmaior para prestarem homenagem à santa que terá ajudado a população a livrar-se de uma peste em meados do século XIX.

A peregrinação domingueira é acompanhada por uma missa solene ao fim da manhã, logo seguida de uma procissão na avenida que está em frente ao santuário com a imagem de Nossa Senhora do Socorro. A parte da tarde costuma ser preenchida com um concerto de uma banda filarmónica, complementado com uma recitação do rosário. Para finalizar este dia, o espaço transforma-se num centro de convívio, com espaço para o farnel e para a venda de vários tipos de artigos, desde os doces ao calçado.

Na segunda-feira, tem lugar uma merenda ao meio-dia e a parte da tarde volta a ser animada por nova banda, antes da eucaristia. As festividades terão adoptado estes moldes há cerca de duas décadas.

Pedro José Barros / O Aveiro

Imagem: postal da década de 1940

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Mário Jorge Lemos Pinto

O Dr. Mário Jorge Lemos Pinto é licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (17 de Julho de 1975) e Mestre em Direito na área de Ciências Jurídico-Políticas (Opção de Direito Administrativo), pela Universidade Católica Portuguesa, em provas públicas de 9 de Março de 2007.

É director do Jornal de Albergaria desde a sua fundação em 1993.

Em 2009 foi lançado em livro a sua tese de mestrado (2006) "Impugnação de Normas e Ilegalidade por Omissão no Contencioso Administrativo Português".

Obras Publicadas:

• Código das Expropriações Anotado, Livraria Almedina, 1984.
• Noções de Administração Pública, em dois volumes, destinada ao
ensino secundário, Porto Editora, 1981,1991 (em co-autoria).
• Impugnação de Normas e Ilegalidade por Omissão no Contencioso
Administrativo Português, 2009.



Albergaria-a-Velha: Vogal da Assembleia renuncia por causa de incompatibilidades

Mário Jorge Lemos Pinto, influente vogal da Assembleia Municipal (AM) de Albergaria-a-Velha renunciou ao cargo a meio do mandato, alegando «motivos profissionais». Antevê incompatibilidades no exercício da advocacia. Um caso raro nos orgãos autárquicas.

Na carta de renúncia enviada ao presidente da mesa, o ex-deputado municipal informa que decidiu interromper a participação activa no orgão fiscalizador do executivo camarário.
Os motivos prendem-se com razões de ordem profissional. Mário Jorge Lemos Pinto, advogado, entende que ao manter-se no cargo de vogal poderia incorrer, nos tempos mais próximos, em várias «incompatibilidades».

Por outro lado, quis evitar que futuramente lhe apontassem o dedo em tomadas de decisão nas quais eventualmente tivesse intervenção enquanto causídico.
«A lei não obriga mas achei por bem renunciar», explicou o também director do semanário Jornal de Albergaria.

Lemos Pinto, uma das vozes mais credíveis da oposição local dá como exemplo de incompatibilidades negociações entre a autarquia e particulares para acertar contrapartidas e indemnizações. Ao aparecer como conselheiro jurídico do particular, na AM teria de defender os interesses do município. Antevendo «conflitos sérios», o advogado preferiu renunciar.

Noticias de Aveiro, 21/10/1998

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

"Museu" dos Bombeiros





Fotografias do museu

Exposiçao Internacional do Porto em 1865


Catalogo official da Exposiçao Internacional do Porto em 1865

PRIMEIRA DIVISÃO.

Matérias primas e suas tranaformaçoes immediatas.

CLASSE 1ª Minas, pedreiras, e productos mineraes

PORTO

12. Jorge Alberto Adolpho Leuschuer, Porto.

—Treze mineraes da mina de chumbo, e prata da Várzea de Trevões, S. João da Pesqueira.— 5 mineraes da mina de chumbo de Morcoso, Cambra. —
8 mineraes da mina do cuval da Mó, Albergaria.—
9 mineraes da mina de cobre, e chumbo de Telhadella, Albergaria.— 20 mineraes das minas de chumbo da mina da Penna, Albergaria. — 28 mineraes das minas de chumbo do Braçal, Scver do Vouga. —16 mineraes e 2 caixinhas com crystaes das minas de estanho de Ramalhosa e Portella da Goiva, Amarante. — 7 mineraes e 2 caixinhas com crystaes da mina d'estanho do monte Feital, Guarda. — 4 mineraes daminad'estanho das Rodas do Marão, Amaranle.— Differentes gangas e mineraes das sobreditas minas.

(...)

AVEIRO

17. Manoel Luiz Ferreira, Albergaria Velha.

— Mineraes das minas do Pindello e Pintor.

Vide n.ª 12.


CLASSE 2ª Arte florestal, caça, pesca e colheitas obtidas sem cultur; piscicultura e seus apparelhos.


AVEIRO

59. Manoel Luiz Ferreira, Albergaria Velha.

— Uma amostra de madeira injectada (pinheiro) segundo o systema Boucherie, pra os postes telegraphicos e travessas do caminho de ferro.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Associação de Bombeiros


A Associação dos Bombeiros Voluntários de Albergaria-a-Velha foi fundada, no dia 22 de Janeiro de 1923, para criar e manter um corpo de bombeiros no concelho.

Em 1925 foi criado o Corpo de Bombeiros de Albergaria-a-Velha no seio da referida Associação.

O Corpo de Bombeiros cessou em Março de 1944. Só seria restabelecido em 1949 graças ao empenho de Américo Martins Pereira.

Os estatutos da Associação foram aprovados por alvará do Governo Civil de Aveiro em 4 de maio de 1953.

A Associação tem como escopo principal a protecção de pessoas e bens, designadamente o socorro de feridos, doentes ou náufragos, e a extinção de incêndios, detendo e mantendo em actividade, para o efeito, um corpo de bombeiros.

O brasão da associação é constituído por uma fénix estendida e voltada para a direita, de ouro e perfilada de preto, sobre quatro achas de preto incendiadas de ouro, trazendo ao peito dois machados cruzados de prata com cabos de preto, sobrepostos pelas armas do concelho, com listel branco com legenda a negro - "Albergaria-a-Velha".

A bandeira da agora denominada Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Albergaria-a-Velha é constituída por fundo vermelho, tendo ao centro o brasão da associação, com o nome da mesma, com o cordão e borlas de ouro e vermelho, haste e lança de ouro.

Nome dos comandantes ao serviço da corporação:

1927 - Fernando Tavares Tinoco
1931 - João Ferreira Pinto
1949/1962 - Evaristo Gomes Ferreira
1962 - João Ferreira Paiva (apenas 48 dias)
1962/1967 - Sérgio Reis da Costa
1967/1969 - Luís Soares de Matos
1969/1974 - Eng.º José António Piedade Laranjeira
1975/1996 - Eng.º António Atanázio Ribeiro
1997/-- - José Ricardo Bismarck Ferreira

domingo, 2 de agosto de 2009

José António da Piedade Laranjeira


José António da Piedade Laranjeira é licenciado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa.

Em Frossos, terra da sua família paterna, casou-se com Rosa Soares de Pinho onde viveu e onde nasceram os seus filhos.

Foi comandante dos Bombeiros de Albergaria-a-Velha entre 1969 e 1974. Em 1983 substituiu o padre Vitor Melícias como Presidente do Serviço Nacional de Bombeiros, cargo que ocupou durante nove anos.

Recebeu o "Crachá de Ouro" da Liga dos Bombeiros Portugueses e foi condecorado com a Ordem de Mérito pelo Presidente da Républica Mário Soares.

Também foi presidente da Assembleia Municipal de Albergaria-a-Velha. Em Fevereiro de 2004 foi nomeado adjunto do Governador Civil de Aveiro.