quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Medalha comemorativa do 150º aniversário do concelho


Medalha de Bronze
Frente: 1834-1984 . Vila de Albergaria-a-Velha (brasão)
Verso: Câmara Municipal de Albergaria -a-Velha (lápide)
Medidas: Diâmetro = 8 cm

referência à medalha

Leilões

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Na Minha Terra

A sua carta é muito simpática, muito bairrista, mas está totalmente desligada da realidade. Com que então um jornal todo votado a Albergaria-a-Velha, onde é das terras onde eu tenho menos assinatura?!!!

(...)

Sabe que a nossa Albergaria não é uma terra bairrista, como Oliveira de Azeméis ou Águeda, onde se luta por tudo o que é de lá e por toda a gente que lá nasceu?! Aqui, não! Aqui, o que é de fora é que é bom! Nunca ouviu dizer que «Albergaria-a-Velha é má mãe e boa madrasta?»! Pois é dito muito velho cá na terra (...)

Se eu seguisse o seu concelho, o «Arauto» não durava dois meses.

Resposta de Vasco de Lemos Mourisca (director do jornal O Arauto de Osseloa) ao leitor Sérgio Reis da Costa (Dusseldorf) - 11/01/1979


Ferro de engomar Alba


Ferro de engomar Alba à venda em site de leilões

Ferro a carvão de engomar Alba. Comprimento, 18cm. Altura, 20cm.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Aquilino Ribeiro / Vasco Mourisca


Manuel de Lima Bastos ofereceu à Biblioteca Municipal Abade Vasco Moreira, em Sernancelhe, um conjunto de livros raros do Mestre Aquilino Ribeiro que provém do espólio deixado pelo Dr. Vasco de Lemos Mourisca, advogado em Albergaria-a-Velha, amigo do escritor e do filho Eng.º Aquilino Ribeiro Machado, descobertos no alfarrabista do Porto, Nuno Canavez, dono da Livraria Académica.

Descrição das obras:

"UM ESCRITOR CONFESSA-SE, única obra póstuma de Aquilino Ribeiro, com prefácio de José Gomes Ferreira, primeira edição brochada, em bom estado de conservação, de 1974;

"DOM FREI BERTOLAMEU DOS MÁRTIRES", primeira edição brochada, em bom estado de conservação, de 1959;

"O MALHADINHAS", primeira edição brochada da versão final aumentada pelo escritor, em bom estado de conservação, de 1958;

"TOMBO NO INFERNO e O MANTO DE NOSSA SENHORA", teatro, primeira edição brochada, em bom estado de conservação, de 1963;

"O PRÍNCIPE PERFEITO", de Xenofonte, tradução com extenso prefácio de Aquilino Ribeiro, primeira edição brochada, em bom estado de conservação, de 1952;

"AS TRÊS MULHERES DE SANSÃO", primeira edição magnificamente encadernada com a capa em cartão marmoreado e pele, apresentando no colofón uma etiqueta indicativa de ter provindo da biblioteca da escritora Aurora Jardim Aranha, de 1932;

"LUÍS DE CAMÕES FABULOSO, VERDADEIRO", primeira edição em dois volumes magnificamente encadernados com capa em cartão marmoreado e pele, de 1950.

CMS, 11/2011


Albergaria-a-Velha, 4 de Setembro de 1954

MEDALHA

Mestre AQUILINO

Escreve-me, da serra.
Esta carta é qualquer coisa de divino,
Nas minhas mãos feitas de terra!

Folhas Solhas do Meu Diário - Vasco de Lemos Mourisca (pag. 293)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Vasco de Lemos Mourisca - Advogado, Escritor e Poeta

A Sua Última Poesia

Retido no leito por força da doença que o vitimou, e quase tolhido pelas dores, ainda o nosso amigo Dr. Vasco de Lemos Mourisca usava uma das suas formas mais características de comunicar: a poesia.

Aqui estão exactamente como a escreveu:

Em missao
O Céu está de mal comigo "Nao me atende"
Eu bem peço, bem imploro,
bem rezo, bem oro
Jesus Cristo faz que nao entende...
E a voz do Karma diz-me à consciência,
Sem Rebate:
Sofre com paciência
esta missao de resgate.

Do Arauto de Osseloa (Dez 84)

(Carlos Castanheira, Beira-Vouga, 30.05.1993)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Vasco de Lemos Mourisca



O dr. Vasco de Lemos Mourisca faleceu ontem. A noticia chegou à nossa Redacção lacónica e fria. Não podemos dizer que fosse, inesperada. O dr. Vasco de Lemos Mourisca, com coragem, enfrentava a doença terrível que o ia minando e diminuindo. Não que afectasse a sua viva inteligência, mas que lhe causava sofrimentos e lhe roubara a voz.

Continuou, todavia, apesar de gravemente doente a dirigir o jornal que publicava em Albergaria-a-Velha, localidade onde residia: «O Arauto de Osseloa». Jornal onde publicou abundante colaboração em prosa e verso, e nas páginas do qual soube conciliar a informação jurídica, a Crónica social, o inconformismo politico.

Tendo-se formado em Direito na Universidade de Lisboa, nos últimos anos dedicava-se principalmente à sua actividade de escritor e de jornalista. Deixou vários volumes publicados: poesia, prosa de ficção e até narrativa policialesca.

Era leitor e amigo do "Diário de Lisboa". Aos seus familiares e aos seus colaboradores de «O Arauto de Osseloa» apresentamos a expressão do nosso pesar.

DL, 14/12/1984

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Sport Clube Alba


EXPOSIÇÃO S.C.ALBA

Equipa S.C. Alba - Parque de Recreio e Desporto Alba - Década de 60

Esta e outras fotografias podem ser admiradas na exposição “S.C. Alba: 70 anos de História”, patente no Arquivo Municipal até 30 de Dezembro.

http://www.facebook.com/municipiodealbergariaavelha