segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Eleições Autárquicas 2013

CM - CDS (4) PSD (3)
António Loureiro recupera Albergaria-a-Velha para o CDS

O candidato do CDS-PP à presidência da Câmara de Albergaria-a-Velha, António Loureiro, congratulou-se no domingo com a reconquista da presidência do município, que os democratas-cristãos tinham perdido para o PSD em 2001.

"É a maior vitória do CDS de todos os tempos no concelho", disse à Lusa António Loureiro, que concorreu pela segunda vez à autarquia.

O cabeça de lista do CDS disse que a sua eleição é o "resultado natural" do trabalho que os democratas-cristãos fizeram nos últimos quatro anos na Assembleia Municipal, nas juntas de freguesia e na Câmara Municipal.

"Foi uma vitória humilde", destacou, acrescentando que pediu aos seus apoiantes para não fazerem caravanas e para respeitarem os adversários.

"A partir de hoje, sou presidente de todos os albergarienses. Para mim não há cores partidárias", adiantou.

De acordo com os resultados finais oficiais, o CDS-PP com António Loureiro obteve 43,49% dos votos e elegeu quatro dos sete elementos do executivo camarário.

O PSD, através da candidatura do vereador José Licínio Pimenta, alcançou 37,05% dos votos e elegeu os restantes três vereadores.

O PS, liderado por Elísio Apolinário Silva não foi além dos 9,97% e perdeu o único vereador que tinha no executivo.

Em Albergaria-a-Velha, na votação para a Câmara Municipal, registaram-se ainda 387 votos brancos e 276 votos nulos.

Lusa, 30/09/2013

Nota: a maior vitória do CDS foi em 1989

Resultados

http://autarquicas2013.mj.pt/

ASSEMBLEIA MUNICIPAL
AM - Mandatos CDS (10) PSD (9) PS (2)
JUNTAS DE FREGUESIA
JF - ALBERGARIA-A-VELHA E VALMAIOR (CDS) / ALQUERUBIM (PSD) / ANGEJA (PSD) / BRANCA (CDS) / RIBEIRA DE FRÁGUAS (CDS) / S. JOÃO DE LOURE E FROSSOS (PSD)
CAMARA MUNICIPAL

Eleitos:

CDS - 4 - António Loureiro (Presidente); Delfim Bismarck; Catarina Mendes; Ana Silva

PSD - 3 - José Licínio Pimenta; Nuno Silva; Sandra Correia

Total de inscritos: 22811; total de votantes: 13110; abstenções: 9701 (42.53%)

ASSEMBLEIA MUNICIPAL

CDS - 10 - Mário Branco;

PSD - 9 - João Agostinho Pinto Pereira;

PS - 2 - Jesus Vidinha;

JUNTAS DE FREGUESIA

+ Albergaria-a-Velha e Valmaior - CDS - Jorge Lemos
+ Alquerubim - PSD — Patrícia Mortágua
+ Angeja - PSD - António Almeida
+ Branca - CDS - Carlos Coelho
+ Ribeira de Fráguas - CDS - Emília Campos
+ S. João de Loure e Frossos - PSD — Adalberto Póvoa

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Loja do Miguel


Triciclo, motos e automóvel em Albergaria-a-Velha (postal de 1915)

http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2013/05/antigamente-70.html

algumas casas comerciais em 1915:

Ourivesarias - João Luiz de Rezende e Miguel Marques Henriques.

Relojoarias - João Luiz de Rezende, Manuel da Silva Gordo e Miguel Marques Henriques.

Bicicletas - Manuel da Silva Gordo e Miguel Marques Henriques

Automóveis de aluguer - Miguel Marques Henriques.

http://novos-arruamentos.blogspot.com/2008/12/indicaes-uteis.html

Miguel Marques Henriques

http://blogdealbergaria.blogspot.pt/2010/05/casa-miguel-marques-henriques-sec-xx.html

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

João Agostinho Pinto Pereira

Momentos de grande emoção na cerimónia solene dos 22 anos de (re)elevação de Angeja à categoria de Vila! O Presidente da Junta de Freguesia, António Almeida, ofereceu um quadro (da autoria do pintor Paulo Tanoeiro) com o retrato do Presidente João Agostinho Pereira como agradecimento por tudo o que fez pela freguesia durante os seus três mandatos.

Facebook

Acta da reunião ordinária da CMA de 18/09/2013 (extracto):

Foi presente uma carta de João Agostinho Pinto Pereira, residente na Rua da Carregosa, lugar do Ameal, freguesia de Alquerubim e município de Albergaria-a-Velha, a legar à Câmara Municipal, nos termos e para efeitos do disposto na alínea h) do n.º 1 do artigo 64º da Lei n.º 169/99, de 18 de setembro, com as alterações promovidas pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de janeiro, um Quadro com a sua imagem, pintado a óleo sobre tela, da autoria de Paulo Tanoeiro, que lhe foi oferecido, na qualidade de cidadão, e que gostaria que fizesse parte do inventário do município de Albergaria-a-Velha, referenciado como Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha nos mandatos de 2002-2005, 2005-2009 e 2009-2013, ficando exposto no Salão Nobre do Edifício dos Paços do Município, próximo do Quadro do Ex.mo Sr. Dr. João Eduardo Nogueira e Melo, antigo Presidente da Câmara Municipal, natural e residente, que foi, na freguesia onde, há largos anos, reside o requerente.

A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, aceitar o legado nos termos propostos, bem assim aprovar a presente deliberação em minuta, para efeitos da sua imediata executoriedade, nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 92º da Lei n.º 169/99, de 18 de setembro, na redação dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de janeiro.

De imediato o Sr. Presidente da Câmara Municipal regressou à Sala das Reuniões, reassumindo as suas funções e a presidência da reunião.

Acta da reunião ordinária da CMA de 18/09/2013 (extracto)

Ainda há poucas semanas foi feito um post neste blog com a indicação das pessoas retratadas no Salão Nobre da Câmara Municipal de Albergaria. Poderia ser uma oportunidade para fazer uma galeria com os presidentes da Câmara e outros autarcas que mais se destacaram.

26/06/2013

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Beira Vouga

Assinalamos com esta publicação, a milésima edição do Jornal Beira Vouga. Cada edição que chega às mãos dos nossos leitores é fruto de um trabalho que reúne os esforços de toda uma equipa que se empenha para que seja possível assegurar, com dignidade, a cobertura informativa dos concelhos de Sever do Vouga e Albergaria-a-Velha.

Esta milésima edição representa o esforço e o envolvimento de muitas pessoas que, ao longo dos 52 anos do Jornal Beira Vouga, se dedicaram a este projecto. Dos fundadores aos ex-directores, passando pelos funcionários, colaboradores e anunciantes, sem esquecer para quem trabalhamos todos os dias, os nossos leitores.

Para que esta milésima edição fosse possível, foram muitos os obstáculos ultrapassados ao longo dos tempos. Das saídas irregulares, durante o período da Revolução dos Cravos, aos cortes das pequenas verbas de indiscutível interesse público pelo Governo, as dificuldades foram sendo contornadas pelos vários responsáveis deste projecto, como acontece até os dias de hoje.

http://jornais-aav.blogspot.pt/2013/09/beira-vouga_18.html

imagem: capa da 1ª edição de 13/04/1941 reproduzida no livro "Albergaria-a-Velha - 8 Séculos do Passado Ao Futuro" de António Homem Alburquerque Pinho.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Autárquicas 2013

Gráfico: DN
Albergaria-a-Velha

Presidente da câmara: João Agostinho (PSD)
Retrato eleitoral em 2009:
PPD/PSD: 47,76% (4 mandatos)
CDS-PP 32,41% (2 mandatos)
PS 13,59% (1 mandato)
Número de eleitores: 22175

Candidatos:

PSD: José Licínio Pimenta, professor, 41 anos
CDU: Miguel Bento, técnico da Associação de Lavoura do Distrito de Aveiro, 35 anos
CDS: António Loureiro, gestor, 43 anos
PS: Elísio Apolinário Silva, reformado das Finanças, 60 anos
BE: Rui Câncio, empresário, 41 anos

Há uma certeza em Albergaria-A-Velha: o presidente da Câmara vai mudar. José Agostinho, do PSD, entregou ao seu braço direito, José Licínio, a tarefa de manter o poder autárquico. O vereador da cultura ganhou visibilidade com o renovado cine-teatro Alba.

CDS e PS decidiram apostar forte. António Loureiro dá o rosto pelo sonho do CDS de recuperar a autarquia.

O PS, habitual terceira força partidária, também apresenta uma figura conhecida localmente, Elísio Apolinário, ex-presidente dos bombeiros.

Noticias de Aveiro

sábado, 14 de setembro de 2013

Há um ano…

Crónica de José Manuel Alho no Correio de Albergaria

Há um ano aceitei integrar o lote de colaboradores desta III Série do jornal “Correio de Albergaria” (CA), fundado em 1896. Um repto que me sensibilizou por não se revestir de outras motivações que não se confinasse ao exercício das liberdades de pensamento e de expressão.
Na verdade, incorporar um projeto de imprensa local, livre dos anacronismos típicos da subsidiodependência e das tentaculares influências dos caciquismos atávicos que nunca esmoreceram, é um ato de dedicação, sacrifício e doação pessoal que importa replicar.

Durante este tempo, testemunhei o arrojo e o comprometimento de quem assumiu ser possível, em Albergaria, erguer um projeto de comunicação social para reforço de um conceito (rico) de cidadania, cultivando a proximidade, estimulando e conservando vínculos identitários, culturais e históricos da maior relevância coletiva.

Um jornal local só terá sucesso se souber cultivar a Língua Portuguesa, mormente a pensar na emigração, sabendo contornar o escasso investimento publicitário, os baixos índices de leitura e as naturais resistências à fidelização através da(s) assinatura(s). Para ter impacto na vida política, económica e social, mesmo que em concorrência desigual com as novas plataformas digitais, a missão só poderá centrar-se na busca corajosa e insaciável da informação impermeável às contaminações dos que cedo se habituaram ao imobilismo reverencial.

Com efeito, a informação passou a não depender exclusivamente do suporte de papel para circular. A partir do final da década de noventa, o número de leitores que surgem do jornal impresso para o acesso a jornais online tem crescido vertiginosamente. Impõe-se a questão: qual será o futuro do jornal impresso? Para a geração nascida nos anos 2000, os estudos asseguram que não escolherá o papel como a única forma de acomodar a informação. Atualmente, o jornal impresso ainda satisfaz quem tem mais de 25 anos de idade pelo que o futuro comportará desafios e exigências que até poderão favorecer, pela sua especificidade, a imprensa local e regional.

No entanto, muitos responsáveis por publicações similares à do CA têm apontado o dedo às autarquias deste país que utilizarão a publicidade institucional a seu bel-prazer, distribuindo indiscriminadamente os anúncios pelas publicações. Por isso, afiançam, as autarquias constituir-se-ão como grandes meios de pressão sobre o livre exercício do jornalismo. Neste particular, cumprirá notar que este jornal estará liberto desse tipo de suspeições ainda que se reconheça, com crescente premência, o imperativo de instituir e observar, com iniludível rigor, critérios mais claros na distribuição da publicidade abonada pelos poderes locais. Cumulativamente, o combate à diferenciação e à desigualdade no acesso às fontes de informação afigura-se de crucial importância para a erradicação de injustiças que apoucam o serviço disponibilizado às populações.

Em razão até das considerações acima partilhadas, o balanço só pode ser positivo porque recheado de conquistas até há pouco julgadas improváveis. E porque a conquistas nos referimos, nada melhor do que lembrar as sábias palavras de Baron de Montesquieu, que ajudarão a perspetivar o futuro deste periódico: "As conquistas são fáceis de alcançar, pois fazemo-las com todas as nossas forças; mas são difíceis de conservar, uma vez que apenas as mantemos com uma parte das nossas forças."

José Manuel Alho, Correio de Albergaria
republicado em  alho_politicamente_incorrecto, 07.09.13
Notas do Blogue Novos Arruamentos:

Neste primeiro ano de existência  não tem sido pacificas as relações entre o partido no poder (PSD) e o "Correio de Albergaria".

O facto do primeiro director estar ligado ao CDS e a sub-directora ao PS seria um factor potenciador de pluralidade de opiniões e que levasse ao afastamento da partidarização do periódico. A existência de uma secção com artigos de opinião e o pedido recorrente de novos colaboradores poderia levar a que aparecessem artigos de pessoas ligadas ao PSD o que não aconteceu.

Não nos parece correcto que o PSD associe todas as criticas ao executivo como sendo a criação de um contra-poder.

O "Correio de Albergaria" é um meio de comunicação que faz falta ao concelho e que deve ser acarinhado por todas as forças politicas. A pluralidade de opiniões deve ser promovida em prol do desenvolvimento da terra.

Apesar da falta de meios não se compreende a insistência do CA em abordar o município usando o e-mail e queixando-se depois que não obteve resposta. Aquando da apresentação das candidaturas às eleições autárquicas voltaram a insistir nessa forma de comunicação chegando-se ao caricato de ter havido textos de todos as candidaturas menos do PSD que é das que está mais bem colocadas.

Neste episódio, o CA justificou-se que teria contactado o PSD com a informação da data-limite para receberem a informação. Na nossa opinião não se compreende a posição do PSD em não ter facultado a informação mas o CA deveria adiar a publicação dessa peça (com informações sobre todas as candidaturas) para o número seguinte.

Mais recentemente verificou-se uma mudança no cargo de Director do jornal passando a ser ocupado pela anterior sub-directora. Os editoriais ficaram mais pequenos e talvez menos incisivos mas não se compreende, tanto antes como agora, como isso pode causar melindre ao executivo.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Exposição





Exposição de Pintura
"os Tons do Meu Olhar"
Rosângela Larraz

04 a 27 de Setembro 2013

CASA DA JUVENTUDE DE AVEIRO
2ª A 6ª FEIRA
09H30 -12H30 | 14H00 - 18H00


Quadros representados na exposição:

Lavadeiras de Águeda
Fial Amigo
Igreja de Ribeira de Fráguas
Angeja Antiga
Águeda Antiga
Angeja
S. Gonçalo
Angeja
Albergaria-a-Velha
Angeja
Angeja
Igreja dos Ossos
Ruínas Telhadela
Moinhos Fial
Moliceiros Águeda
Fonte em Angeja

Como formadora em Artes Plásticas tem realizado vários workshops na CASA da Juventude de Aveiro. No dia 19 de Outubro irá realizar-se mais um dedicado à Pintura a Acrílico e Técnicas Decorativas.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Solares dos Séc XVIII e XIX

Decorreu, com brilho e na presença de diversas individualidades, a inauguração da exposição de óleo sobre tela, subordinada ao tema "Solares dos Séc XVIII e XIX para Memória Arquitectónica do Concelho de Albergana-a-Velha" de Rosângela Larraz,
no passado dia 22, na sala de reuniões da Junta de Freguesia (de Angeja).

Saliente-se a qualidade das pinturas e, em especial, o registo actual de alguns dos mais belos edifícios de Angeja e de outras freguesias do concelho, que levaram os presentes à vontade imediata de adquirirem a maior parte das telas.

À autora e à Junta de Freguesia de Angeja, cujo presidente [José Manuel Dias Neves 2002/2005] teceu algumas considerações sobre o evento, os nossos parabéns.

Jornal D'Angeja

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Rosangela Larraz

http://albergariav.blogs.sapo.pt/1773.html
A brasileira Rosângela Larraz nasceu no dia 5 de Abril de 1959 em Porto Alegre. Veio para Portugal e tem participado em várias exposições colectivas e individuais pelo país, de que são exemplos: Colectivas no Chiado de Coimbra, Colectivas na Morgado e Pedricosa em Aveiro, Colectivas na Junta de Freguesia de Alquerubim, Colectivas a convite da JS de Albergaria-A-Velha e Individual na Casa do Povo de Alquerubim, Biblioteca de Albergaria-A-Velha (Alquerubim em Pastel - Outubro 2003) e Junta de Freguesia de Angeja (Solares dos séc. XVIII e XIX Para a Memória Arquitéctónica do Concelho de Albergaria-A-Velha).

Foi uma das principais dinamizadoras do "Hobby-Arte", Feira Interactiva de Artesanato, em Angeja, que surgiu em 2005 com "a comemoração do 14.º aniversário da elevação de Angeja a vila e do primeiro aniversário do Jornal D'Angeja".

O modelo da "Hobby-Arte" foi trazido de S. Paulo, no Brasil, por Rosângela Larraz, coordenadora do certame. "Os artesãos trabalham ao vivo e são simultaneamente monitores". O espírito da feira é "criar uma interacção entre visitantes e artesãos, despertando-as para novas artes".

Os principais objectivos deste evento prendem-se com a "dinamização da freguesia, a sensibilização da população para a riqueza natural e arquitectónica do lugar, tudo isto inserido numa feira interactiva em que os participantes podem executar pequenos projectos junto dos artesãos e levá-los para casa".

Neste momento tem uma exposição na Casa Municipal da Juventude de Aveiro onde tem vários quadros com motivos de Albergaria-a-Velha e do seu concelho.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Maria e as flores

Quem sai aos seus não degenera", diz o sábio ditado.

Meu avô materno, Adelino, era um jardineiro amador de mão cheia. Quando voltou para Portugal, (já com mais de 70 anos!) construiu uma casa e plantou um belo jardim.

Quantas flores!

Minha mãe, em 1968 quando foi com meu pai trazer minha avó de volta, após o falecimento do meu avô.

O lugar : Branca, ou como constava no enderêço das inúmeras cartas que enviávamos - Souto da Branca, Laginha, Portugal.

Minha mãe herdou o gosto pelas plantas, e eu continuei a herança, repassando-a para minha filha que também vive cercada de "mato".

Postado por Flora Maria em 04/01/2010

http://floradaserra.blogspot.pt/2009/11/sempre-portugal.html