quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Toponimia Angeja

É sabido que a toponímia para além da importância que tem como elemento identitário de uma comunidade, é ainda de elevada importância para o estudo e conhecimento da história dos locais. O nome dos lugares e das ruas de uma localidade, para além do reflexo da sua história e da sua evolução ao longo do tempo, fazem parte do seu património, pelo que o seu estudo e recolha numa época em que os testemunhos materiais e imateriais se apagam a uma velocidade assustadora é de extrema importância.

Como forma de contribuir para a preservação destas memórias já algum tempo que venho fazendo a recolha, caracterização e estudo de alguns dos topónimos da Vila de Angeja.

Porque o saber de nada serve se não for partilhado, por aqui irei publicar um pouco da história dos topónimos da Vila de Angeja.

José Silva, História Angeja, 22/11/2016




A partir de 22 de Novembro começaram a ser publicadas no facebook História Angeja várias informações e curiosidades sobre as ruas de Angeja. A primeira rua abordada foi a Rua da Cruz.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Arquivo Municipal - doações e depósitos



O Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha recebeu um conjunto de doações e depósitos no dia do seu 8º aniversário. Os protocolos foram assinados no dia 21 de Novembro pelo Vereador da Cultura, Delfim Bismarck, que também deixou em depósito cerca de 4500 jornais, datados de 1887 até 2014.

Foi a Vereadora Catarina Mendes a assinar este depósito, lembrando que a qualidade do Arquivo é cada vez mais evidente, estando agora mais rico, continuando a contribuir para um melhor conhecimento do passado.

https://www.facebook.com/municipiodealbergariaavelha/

PROTOCOLOS

Na cerimónia de aniversário, que decorreu segunda-feira, 21 de novembro, ao fim do dia, foram assinados protocolos de doação ou depósito de diversos suportes. Foram doadas cassetes com gravações de jogos de futebol do Sport Clube Alba da década de 1980, representações digitais do arquivo pessoal do inventor Albergariense de material cirúrgico Manuel Valente dos Santos e representações digitais de “O Nosso Jornal”, o periódico mensal dos trabalhadores do Centro de Produção Fabril da antiga Portucel de Cacia, do período de 1977 a 1994.

O Vereador da Cultura, Delfim Bismarck, deixou em depósito cerca de 4500 jornais relacionados com o Concelho de Albergaria-a-Velha, datados de 1887 a 2014. Muitos dos jornais do século XIX e mesmo alguns do início do século XX são exemplares únicos.

PLATAFORMA ONLINE

O Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha adotou há cerca de um ano uma plataforma de software livre, um procedimento que é apontado como exemplo de boas práticas. Os técnicos municipais têm sido convidados a mostrar o funcionamento da plataforma em vários encontros nacionais da especialidade. O software adotado não tem custos de manutenção e permite a migração e continuidade dos registos existentes.

No primeiro ano de funcionamento do novo site do Arquivo Municipal, que corresponde praticamente a 2016, foram digitalizadas 1800 imagens de fotografias em vidro, provenientes do fundo Foto Gomes, foram descritos cerca de 2000 registos de sumários de atas da Câmara Municipal, foram digitalizados 8000 processos de obras particulares e foram inseridos na base de dados 30 000 registos de encomendas do fundo Foto Gomes, correspondentes ao período 1936-1964.

FUNDO FOTO GOMES

Técnicos do Arquivo Municipal de Albergaria vão começar a visitar os utentes do Lar de Idosos da Irmandade da Misericórdia de Albergaria-a-Velha, num projeto que visa a identificação das pessoas retratadas nas fotografias do fundo Foto Gomes.

A parceria entre a Câmara Municipal e a Irmandade da Misericórdia foi revelada ontem na cerimónia que assinalou o 8.º aniversário do Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha. O Vereador da Cultura Delfim Bismarck explicou que os técnicos daquele equipamento vão deslocar-se algumas vezes por mês, ao longo de 2017, ao Lar de Idosos e projetar imagens das pessoas retratadas nas fotografias da casa Foto Gomes, que tem mais de 200 mil registos arquivados, correspondentes ao período entre 1935 e 2008.

O Autarca explica que as imagens estão quase todas identificadas, porque vinham acompanhadas de livros de registo, que indicam quem encomendou as fotografias. “Mas ainda há 600 chapas que não têm registo e vamos tentar que alguém identifique as pessoas retratadas junto dos utentes do Lar de Idosos da Misericórdia”, explicou Delfim Bismarck.

A lista dos protocolos celebrados pode ser consultada aqui.      


CMAV, 22/11/2016



  PROTOCOLOS 2016 

Sr. Rui Jorge da Silva Pinto
1 VHS e 1 Betamax com Jogos de futebol do Alba: 
  - Clube Desportivo Luso vs S.C. Alba (2-3)
  - S.C. Alba vs Anadia F.C.
  - S.C. Alba vs Pessegueirense (0-1) 

Sr. Manuel da Silva  Lapa
  - 1 Fotografia de Fausto Vidal sobre o Carnaval de 1930 
  - 1 Fotografia ''Início da abertura da Avenida de Assilhó'' (Av. Bernardino M. Albuquerque)

Sr. Leonel Joaquim
  - 1 Postal - “Escola de Mouquim em Construção – Albergaria-a-Velha” (autoria: Fausto Vidal, séc. XX)
  - 1 Postal - “Estrada da Fontinha, Alquerubim – Albergaria-a-Velha” (autoria: Fausto Vidal, séc. XX)

Sr. Manuel José Tavares de  Abrantes
 Coleção de notícias locais de 2011 a 2014 do jornal regional “Diário de Aveiro”   

Dr.ª Teresa Cruz Tubby
 269 fascículos de Jornais Regionais de 2004 a 2008

Eng.º Luís Altino
Digitalização do livro “Angeja, Rainha do Vouga: Poesias” 1913 de Venâncio  da Silva Mattos.
Doa: 1 fascículo “O Jornal de Estarreja” 10 de Julho de 1921
1 fascículo “Povo de Angeja” n.º 169 de 28 de Abril de 1932
 1 Exemplar de estimativas de custos para obras de reparação e restauro da  Igreja Matriz de Angeja, de 5 de Agosto de 1997 

Dr. Delfim Bismarck
 4516 fascículos de Jornais Regionais de 1887 a 2014

Sr. Carlos Ribeiro dos  Santos
Digitalizações do arquivo do inventor Manuel Valente dos Santos

Sr. João Bernardo de  Jesus Magalhães
Digitalizações de 159 fascículos (1977-1994) de “O Nosso Jornal”, o periódico  mensal dos trabalhadores do Centro de Produção Fabril de Cacia.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha recebe novo espólio no dia do seu aniversário

Construído de raiz no início do século XX para ser uma cadeia, o edifício do Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha acolheu diversas instituições ao longo dos anos. Já foi escola, junta de freguesia, câmara municipal e até sede da CPCJ. O Arquivo assinala na segunda-feira, dia 21 de novembro, o seu oitavo aniversário e vai receber um conjunto de doações, desde jornais e fotografias, até direitos de utilização de desenhos técnicos e obras de literatura.

O Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha foi inaugurado em 2008, depois de obras de adaptação, comparticipadas pelo Programa de Apoio à Rede de Arquivos Municipais. Desde essa altura passou a fazer parte da Rede Nacional de Arquivos.

(...)

O Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha deu um grande salto qualitativo desde o último aniversário, quando passou a permitir o acesso aos seus acervos e fundos arquivísticos através de uma página na Internet, construída numa plataforma de software livre. Esta plataforma não tem custos de manutenção e permite a migração e continuidade dos registos existentes. Foi o primeiro Arquivo Municipal da Região de Aveiro a adotar uma plataforma de software livre.

Ativa desde o início do ano, a página http://arquivo.cm-albergaria.pt, conta já 33 595 registos visualizados, contabilizando 2214 visitas ao site, o que corresponde a 1068 utilizadores individuais.

Na segunda-feira, no dia de aniversário do Arquivo Municipal, numa cerimónia marcada para as 18h00, serão assinados protocolos de doação com nove munícipes, que vão depositar os suportes históricos mais variados. Desde jogos de futebol do Sport Clube Alba, em vídeo VHS e Betamax, a fotografias e postais de momentos relevantes na história do Concelho, como a abertura da Avenida Bernardino Máximo de Albuquerque, a construção da Escola de Mouquim, e até representações digitais dos desenhos do inventor Albergariense Manuel Valente dos Santos

CMAV, Data: 18-11-2016

sábado, 19 de novembro de 2016

Igreja da Branca

Encontrada pintura que se suspeita ser um fresco do Século XVII

A pintura foi encontrada aquando da desmontagem da talha dourada do altar do Sagrado Coração de Jesus.

A nova igreja Paroquial, de estilo barroco, foi construída em 1694 para substituir a anterior medieval que se situava nas traseiras do actual adro.

No século XVIII foi colocada a talha dourada proveniente do Real arsenal da Marinha de Lisboa.

Nessa mesma altura foi adquirida à mesma entidade a primitiva imagem de S. Vicente patrono da paróquia.

A última intervenção e restauro de maiores proporções nas talhas douradas aconteceu nos anos 30. do Sec XX.

A fonte de algumas das informações, foi um artigo de António Pires Ladeira, publicado na página 31, da Revista Lusitânia de 16 de Agosto de 1932.

Fonte: Alírio Silva, Beira-Vouga, 2ª quinzena de Novembro de 1996 (adaptado)

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha vence Prémio Cultura na Gala Litoral Awards

O Município de Albergaria-a-Velha foi distinguido com o Prémio Cultura na terceira edição da Gala Litoral Awards, um evento que visa premiar o “mérito e a excelência” de marcas, entidades e personalidades da região Litoral do Baixo-Vouga.[concelhos de Aveiro, Águeda, Albergaria-a-Velha] A cerimónia decorreu no Teatro Aveirense na noite de sábado, 12 de novembro, e o Vice-Presidente e Vereador da Cultura, Delfim Bismarck, recebeu o prémio em nome da Câmara Municipal.
A organização da Litoral Awards destacou o trabalho do Município nas diversas vertentes da Cultura – da dinamização de eventos nos equipamentos municipais à valorização do património local – como fator distintivo do Concelho no panorama cultural da região.


Num documentário síntese apresentado antes da entrega do prémio, foram destacadas as escavações arqueológicas e a valorização desse património; a dinamização da Rota dos Moinhos; as edições de inventariação e divulgação patrimonial; os eventos marcantes, como o Festival Pão de Portugal, a Albergaria conVIDA e o Lugar das Cores; as comemorações dos forais manuelinos; a programação e a dinâmica do Cineteatro Alba e da Biblioteca Municipal; e o trabalho desenvolvido pelo Arquivo Municipal. A organização salientou ainda as dezenas de milhares de espetadores e participantes nas iniciativas promovidas pela Autarquia.


Na cerimónia, Delfim Bismarck dedicou o prémio “aos funcionários e colaboradores do Município na área da Cultura”, mas também aos que “têm fruído de todo este diversificado leque de ofertas culturais” e que, em 2015, ultrapassaram as 110 mil pessoas.


A Gala Litoral Awards foi apresentada pelo humorista Luís Franco-Bastos e distinguiu os melhores em treze categorias: Música, Desporto, Moda, Comunicação, Produto Inovação, Design, Marca, Cultura, Desenvolvimento, Carreira, Empresa do Ano, Excelência e Homenagem.


Metronews

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Comendador Manuel Francisco Arede



No ano de 2004 tivemos o prazer de conhecer e entrevistar, no lugar de Açores, freguesia de Valmaior, Albergaria-a-Velha, o comendador Manuel Francisco Arede, que na altura nos ofereceu o livro "Primeira Grande Guerra", de onde tiramos as seguintes informações:

"O número total de militares portugueses mortos e desaparecidos na Grande Guerra, em França, foi de 2.089 Mortos e 109 desaparecidos. Dos 2.089 mortos, só 1.884 têm sepultura conhecida (*); os restantes 205 ou estão em sepulturas cujos ocupantes ainda não foi possível identificar ou não tiveram sepultura. É natural que dos 191 desaparecidos, muitos sejam mortos não identificados. Dos 1.882 militares que têm sepultura conhecida, 241 são militares desconhecidos”.

Neste cemitério estão 1831 sepulturas, 239 delas de desconhecidos. Nem todas elas foram da Batalha de 1918. Algumas vieram da Bélgica

(*) Todas as sepulturas estão assinaladas com uma lápide em que se indica, para os militares conhecidos, o seu nome, posto ou graduação, número da placa de identidade e, sempre que é conhecida , a data da morte. Para militares desconhecidos só se indicam daqueles elementos os que foi possível registar. Estes 1.882 militares estão sepultados nos cemitérios de : Richebourg l' Avoué (1831 sepulturas) , Boulogne-sur-Mer (44 sepulturas ) e Antuérpia ( 7 militares portugueses.).

O Cemitério de Richebourg l'Avoué, expressamente construído por Portugal, contêm 1831 sepulturas.

Manuel Francisco Arede, entre 1960 e 1980 foi emigrante em França e grande dinamizador da construção desse cemitério e com tanto empenho e devoção o fez que recebeu uma condecoração.

Aos 16 de Maio de 1983 foi nomeado pelo Presidente da República, General Ramalho Eanes, Cavaleiro da Ordem do Infante D. Henrique, por haver prestado serviços relevantes no estrangeiro, serviços de expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, sua história e seus valores.

Mais de 100.000 militares portugueses estiveram envolvidos na 1ª Guerra Mundial. Além de França, estiveram presentes em Angola e Moçambique.

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA VILA DE CUCUJÃES E REGIÃO Por: Valter Santos com a colaboração de Teresa Cruz Tubby (extracto)

Ler texto completo

O Dr. Delfim Bismarck Ferreira está a realizar um estudo sobre os Albergarienses que participaram na I Guerra Mundial (1914-1918). Procura todo o género de informações sobre os mesmos: fotografias, cartas, medalhas, condecorações, fardas e todo o tipo de objectos relacionados com a sua presença militar na Europa ou em África.

Pode ser contactado pelo mail info@fundacaomadureira.com

[post publicado inicialmente em 17/04/2012]

O funeral do Comendador Manuel Francisco Arede realiza-se no dia 11 de Novembro de 2016.

Aquando do lançamento da mais recente edição da revista "Albergue", no dia 5 de Novembro de 2016, foi revelado pelo Presidente da Câmara que que estão em preparação duas obras sobre a participação dos Albergarienses na I Guerra Mundial (1914-1918) e na “Guerra do Ultramar” (1961-1974).

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Revista Albergue nº 3



http://biblioteca.cm-albergaria.pt/Eventos/tabid/262/PostID/286/Revista-Albergue---Historia-e-Patrimonio-do-Concelho-de-Albergaria-a-Velha.aspx

REVISTA ALBERGUE
História e Património do Concelho de Albergaria-a-Velha
Apresentação do nº3
05 novembro | Sábado | 17h00

A revista Albergue - História e Património do Concelho de Albergaria-a-Velha é uma publicação anual, editada pela Câmara Municipal, que promove a investigação, preservação, valorização e divulgação do património do Concelho, levando a História local e Património a um público mais vasto. No n.º3, os leitores podem contar com artigos de especialistas de diversas áreas, que demonstram que Albergaria-a-Velha tem um passado que vale a pena conhecer.