domingo, 20 de fevereiro de 2011

A Biblioteca de Siza


Nota prévia: o projecto de Siza Vieira não chegou a ser feito.

Investimento de 300 mil contos

Equipamento deverá estar concluído em 2003 e é acompanhado por outras obras previstas para o concelho e assinadas por conhecidos arquitectos nacionais

Uma nova biblioteca, projectada por Álvaro Siza Vieira, deverá abrir portas em Albergaria-a-Velha, dentro de dois anos. O equipamento - que já tem localização definida e orçamento aprovado - surge integrado num conjunto de obras da autoria de alguns dos mais renomados arquitectos portugueses. Ao lado de Siza, Carrilho da Graça e Valter Rosa constam igualmente entre as assinaturas que prometem "garantia de qualidade" para as construções do concelho.

A nova biblioteca de Albergaria vai nascer no alto de um morro, no chamado "Parque da Vila", junto ao centro escolar e desportivo. A empreitada aponta para um orçamento de 300 mil contos e encontra-se, actualmente, em fase de expropriação de terrenos. O autor do projecto - a ser apresentado no próximo mês de Março - é, como referimos, o arquitecto Siza Vieira, e a obra deve ser iniciada até ao fim deste ano.

O estudo prévio já foi aprovado e o presidente da Câmara de Albergaria, Rui Marques, define-o como "uma ideia bem conseguida". A nova biblioteca vem substituir a actual, que funciona "em más condições e não corresponde às necessidades sentidas", comenta o autarca. "A escolha do local para a construção foi analisada durante vários anos, entre dez hipóteses possíveis".

O equipamento assinado pelo arquitecto portuense prevê um edifício de dois pisos. Segundo Rui Marques explicou ao PÚBLICO, o imóvel contemplará, ao nível do solo, "uma secção infantil e outra destinada a adultos", a primeira com salas de leitura, áudio, multimédia ou conto, enquanto na segunda se acrescenta, por exemplo, uma área reservada à consulta de periódicos.

Um átrio de entrada, um bar e uma sala polivalente, para conferências ou exposições, são ainda algumas das valências previstas para o piso principal do prédio, que deverá reunir, só na secção destinada aos adultos, um total de 25 mil volumes para consulta. Isto, enquanto, abaixo do nível do solo, serão instalados os depósitos de livros, sector informático, gabinetes e serviços técnicos.

Um milhão para as freguesias

Se Siza Vieira assina o projecto da nova biblioteca, Carrilho da Graça, Válter Rosa, Julião Azevedo e Paulo Azevedo são os responsáveis por um conjunto de equipamentos previstos para as freguesias da Branca, Angeja e S. João de Loure - um centro de saúde e um centro cultural, um centro social e duas piscinas -, num investimento global da ordem de um milhão de contos.

"O centro de saúde e o centro cultural da Branca são duas obras criadas a partir de um projecto comum de Carrilho da Graça. Fazem parte do mesmo complexo, mas com uma separação física, o que permite a construção faseada, de acordo com o financiamento", refere Rui Marques, garantindo que o projecto relativo à unidade de saúde "está a ser acompanhado pelo Ministério da Saúde" e que o centro cultural "deverá ser candidatado ao III Quadro Comunitário de Apoio". Trata-se de "um centro de saúde com capacidade para sete mil utentes" e de um centro cultural que comportará "um anfiteatro de 200 lugares, uma escola de música e a Banda da Branca". Para esta freguesia, está também previsto um novo quartel da GNR, "para o qual já existe um terreno".

Também Angeja será contemplada com uma nova estrutura, desta vez um centro social e paroquial. O equipamento, da autoria de Valter Rosa e direccionado para receber crianças e idosos, deverá surgir no "Edifício da Praça", um imóvel Arte Nova adquirido pela autarquia e cuja empreitada de recuperação e adaptação foi iniciada há cerca de um mês.

Finalmente, as piscinas: na Branca, o projecto está em fase final da elaboração e com localização escolhida, junto ao centro de saúde; em S. João de Loure, a unidade a edificar ficará próxima da Escola Básica Integrada e do campo de futebol, com estudo prévio igualmente concluído, e a aguardar o parecer do Instituto Nacional do Desporto. São complexos de 25 e 17 metros, respectivamente, com água e ar aquecidos, segundo propostas dos arquitectos Paulo Azevedo e Julião Azevedo.

Patrícia Coelho Moreira, Público, 25 de Fevereiro de 2001
artigo "Albergaria-a-Velha Vai Ter Uma Biblioteca de Siza"

Albergaria-a-Velha: Siza projecta nova biblioteca municipal

Depois de Carrilho da Graça e Valter Rosa, Albergaria-a-Velha vai ter uma obra pública projectada por Siza Vieira.

O arquitecto portuense Álvaro Siza Vieira vai iniciar, brevemente, os estudos prévios do projecto da futura biblioteca municipal de Albergaria-a-Velha.

«Estamos muito satisfeitos por estar a projectar para nós», afirmou o presidente da edilidade, Rui Marques.

Aliás, este não é o primeiro conceituado arquitecto nacional a deixar a marca do seu estilo naquele concelho. «Tem sido uma preocupação nossa entregar projectos a gente de renome», lembra o autarca, apontando os casos do centro cultural e posto de saúde da Branca (Carrilho da Graça) e o centro social de Angeja (Valter Rosa).

Quanto à biblioteca, trata-se de um edifício a construir de raiz, contando com o apoio financeiro do Ministério da Educação (ME).

Tecnicamente designada como sendo uma BM 2, terá não só espaços de leitura pública como outros serviços, designadamente computadores multimédia com acesso à Internet, salas de apoio a actividades e um auditório.

O custo rondará 200 mil contos. O início da construção ainda está longe. «Queria ver se lançávamos a primeira pedra no próximo ano, mas às vezes surgem imponderáveis», diz Rui Marques, não arriscando uma data.

Localização sem consenso

O local da biblioteca é que não gerou consenso no seio do executivo. São 1700 metros quadrados, a sudoeste do pavilhão gimnodesportivo.

Além da opinião positiva do arquitecto Siza Vieira, o presidente levou para a sessão de Câmara os pareceres favoráveis das escolas preparatória e secundária.

Para o vereador Rogério Camões (PSD), o orçamento do município poderá não chegar daqui a alguns anos para tantos edifícios, achando a zona para a biblioteca com terreno a mais. Já Adelino Pereira Santiago (PS) queixou-se não ter informação técnica sobre o edifício a que projecto teria de obedecer.

Apesar dessa tomada de posição, e tendo sido rejeitada o adiamento da decisão, o membro socialista votou favoravelmente a localização, a par da maioria CDS/PP.

Tércio Silva, do PSD, justificou o voto contra por nunca ter sido informado de que a área em causa seria de 1700 metros quadrados, entre outros motivos.

Júlio Almeida / Notícias de Aveiro, 06/05/2000


A Biblioteca de Albergaria-a-Velha será construída em terreno que integrará o Parque Municipal, situado na proximidade de alguns equipamentos de interesse público (Escola Liceal e Comercial, Pavilhão de Desportos, Piscina e outras instalações desportivas).
O acesso far-se-á a partir da Rua da Bela Vista, a nascente, inserindo-se posteriormente no sistema de vias do parque.

Prevê-se um parque de estacionamento ao ar livre, privativo, para 50 veículos.

O Programa Base apresentado baseia-se no Programa - tipo designado por BM2 (Concelhos com população entre 20.000 e 50.000 habitantes) definido pelo Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, incluindo contudo algumas propostas de alteração, as quais se reflectem nas áreas útil e bruta resultantes (aumento de 24.2% na área útil e de 28.9% na área bruta):

a) Áreas de programa não consideradas no Programa-Tipo (casos de um amplo átrio de serviço, onde se possa proceder às operações de carga e descarga, e ainda da introdução de uma cozinha de apoio à cafetaria).

b) Aumentos em áreas parciais, em consequência da visita feita a algumas Bibliotecas e da consideração de algumas das opiniões então recolhidas. Particularmente significativo é o aumento da área de depósito, de 110 para 216m2, (verifica-se que em algumas Bibliotecas BM2 se encontra já esgotada a capacidade de depósito).

fonte: antigo site da CMA

O projecto de Siza Vieira não chegou a ser feito.

Sem comentários: