terça-feira, 23 de agosto de 2011

Eleições 2005 - Carlos Resende (CDS)

«Albergaria perdeu prestígio nos últimos anos» - Entrevista ao candidato do CDS

Carlos Resende, actual líder da Concelhia do CDS/PP, é o nome escolhido por este partido para tentar recuperar a Câmara de Albergaria-a-Velha. O candidato diz que Albergaria estagnou e perdeu prestígio nos últimos anos

- Que motivos o levaram a candidatar-se à Câmara de Albergaria-a-velha?

Eu acompanho a vida política em Albergaria-a-Velha desde bastante novo. Acompanhei as diversas candidaturas do Dr. Rui Marques, e neste momento houve necessidade, por motivos que são óbvios, de se escolher um outro candidato. A Concelhia de Albergaria-a-Velha entendeu que esse candidato deveria ser eu, e como é óbvio este será o primeiro motivo para a minha candidatura à Câmara de Albergaria-a-Velha. É importante ter as bases do partido com o Carlos Resende, porque se não as tivesse de certeza que não haveria motivos para me candidatar.

- Foi, então, um processo pacífico.

Em Albergaria-a-Velha, nas últimas seis candidaturas, contabilizando esta, os processos foram sempre pacíficos, e desta vez também o foi. Não sei se é bom ou mau, mas tem sido assim, fruto do trabalho que os candidatos têm vindo a realizar. O segundo grande motivo que me leva a candidatar é a alegria de poder servir o concelho. Julgo que Albergaria, nestes últimos três anos e meio, estagnou. Albergaria tinha um projecto de desenvolvimento e esse projecto tem estado parado. Eu penso que há necessidade, novamente, de transmitirmos alguma dinâmica a um concelho que já andou nas bocas do mundo, por assim dizer, por motivos que não são os mesmos dos de hoje. Actualmente, Albergaria tem aparecido nos jornais ligada a processos algo conturbados, e era isso que neste momento nós não gostaríamos que acontecesse. Albergaria em si é um motivo mais que suficiente para nos querermos candidatar, acho que é um projecto extremamente aliciante e darmos algo ao concelho, que também já nos tem dado tanta coisa em troca, julgo que não é nada de mais.

- Que balanço faz dos quase quatro anos de gestão PSD à frente da Câmara?

Sinceramente, eu deixaria para os albergarienses esse tipo de análise. Mas não quero deixar de alertar para alguns aspectos que foram sucedendo nestes últimos três anos e meio e, a partir daí, antes de ser eu a fazer esse balanço, gostaria que fossem os albergarienses. Mas gostava de fazer alguns reparos. Um deles, é a questão das contas do município. Muito se falou, desde a tomada de posse deste Executivo até aos dias de hoje, das contas da Câmara Municipal. O que é certo é que nós ao longo destes três anos e meio temos vindo a verificar que existem alguns desequilíbrios nas contas do município. Eu passava-lhe a citar alguns exemplos: as despesas correntes do município, nos últimos três anos - estamos a falar do período de 31 de Dezembro de 2001 até 31 de Dezembro de 2004 - cresceram qualquer coisa como 29%, quando as receitas correntes tiveram um pequeno acréscimo, de apenas 13%, o que quer dizer que, tal como o nosso Governo neste momento se vê confrontado com uma situação que é o excesso da despesa corrente - e daí o nosso Primeiro-Ministro, assim como os anteriores, terem solicitado alguma acalmia e alguma contenção das despesas correntes - aquilo que se vem a verificar na Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha é que essas mesmas despesas correntes que o nosso Governo pede para serem diminuídas, têm disparado. Começa a haver aqui um desequilíbrio, porque se a despesa corrente sobe muito mais do que a receita, onde é que se vai buscar o dinheiro da diferença? Tem que ser à parte do investimento e passa-se a investir menos para se poderem suportar os acréscimos da despesa corrente. Uma dessas despesas está relacionada com os custos de pessoal. Para que as pessoas tenham uma ideia, em três anos os custos de pessoal da Câmara cresceram 76%. É demais, houve aqui um desequilíbrio. Estas contas terão que ser corrigidas, senão é capaz de suceder aquilo que tem sucedido à maior parte dos municípios portugueses que têm tido algumas dificuldades de tesouraria. Num longo prazo, não serão dificuldades de tesouraria, serão dificuldades inerentes não só à tesouraria, mas que podem colocar em causa os investimentos no concelho. Outra abordagem tem a ver com a auditoria que foi mandada fazer no início do mandato. Dessa auditoria também muito se falou, penso que não se retirou nada dela que não fosse para fins políticos para o PSD. Posteriormente mandou-se fazer um inquérito aos serviços municipais, inquérito esse que foi bastante polémico. O senhor presidente mandou-o fazer, acho que também foi uma vergonha. Mais recentemente fomos confrontados com o não cumprimento de um contrato que estava previamente estabelecido, relacionado com os terrenos da Piscina Municipal.

- Mas o presidente da Câmara acusa o anterior Executivo por esta situação…

A questão é, quem é que arranjou o problema? Foi o anterior Executivo, ou foi o actual? Gostava de esclarecer aqui uma coisa: o problema é da Câmara Municipal, não é do Rui Marques nem do João Agostinho, o problema é de uma Câmara, de um Executivo, não é de «A» nem de «B». Esta gestão, de cujo presidente é o professor João Agostinho, não cumpriu um contrato, contrato esse que estava previamente estabelecido. Portanto, as pessoas que tirem daí as ilações que entenderem. Outra coisa que eu também queria alertar é para o facto deste Executivo estar a viver imenso da imagem das revistas e eu acho que quando uma pessoa pretende viver bastante da imagem e das revistas é porque alguma coisa corre mal. Estão a tentar vender uma imagem para tentar mudar aquilo que está mal, não é por aí que lá devemos chegar: é pelo trabalho e não pela imagem. Outra crítica que eu tenho feito ao senhor presidente da Câmara é a falta de diálogo com a oposição, nomeadamente as suas atitudes intolerantes e prepotentes que tem tido para connosco. Eu, depois desta análise e destas observações, fiz o que gostava que as pessoas também fizessem. Ouvindo a minha pessoa, ouvindo o presidente da Câmara, gostava que as pessoas, nos locais próprios, fizessem o seu balanço, e eu mais à frente o farei de uma forma precisa e concisa. Antes de fazer um balanço na totalidade, gostava que as pessoas pensassem um bocadinho, confrontassem aquilo que eu venho a dizer já há algum tempo com aquilo que o presidente da Câmara tem vindo a dizer, e que depois façam um balanço. E no balanço o activo deverá sempre ser superior ao passivo. Para mim, penso que o passivo tem sido superior ao activo.

- Está a dizer que o actual Executivo trabalha mais para a imagem e menos para o desenvolvimento do concelho?

É isso exactamente que eu quero dizer.

- Os vereadores da oposição, nomeadamente os do CDS/PP, têm razões de queixa da forma como o Executivo os trata?

Essa pergunta deverá ser feita aos vereadores do CDS, mas eu, do contacto normal que tenho com eles, das reuniões que tenho tido com eles, concluo que se passa comigo exactamente o mesmo que com os vereadores do CDS.

- Que propostas o CDS/PP tem para oferecer ao eleitorado?

Sobre o programa de forma concisa ainda não falarei, mas nós temos uma linha traçada, já gerimos um município, sabemos exactamente o que temos para fazer. Perante as observações que fui fazendo ao trabalho do Executivo, algumas coisas têm que mudar. Uma das prioridades é a reestruturação das contas do município. As despesas não podem crescer da forma que têm crescido. Quanto mais gastamos em despesas, menos temos na parte do investimento, e nós estamos numa altura crucial em que o investimento é necessário, por diversas razões. Em primeiro lugar, estamos perante uma fase em que o desemprego tem aumentado drasticamente e, hoje em dia, as próprias autarquias devem ser os principais motores no sentido de conseguir captar os investimentos necessários para fazer face ao aumento de desemprego que temos tido. Deveremos, então, pensar na restruturação das contas do município. Em segundo lugar, acho que temos um município que deve ser prestigiado, um município com grande prestígio. Falei já de dois ou três casos que foram públicos e que, no meu ponto de vista, denegriram a imagem do município. Portanto, tem que se trazer o prestígio novamente à instituição municipal. Em terceiro lugar, e como já frisei, a questão dos investimentos deve ser prioritária e estamos a falar de investimentos reprodutivos, não na noção que o que é produtivo necessita de ser lucrativo mas sim, o lucrativo aqui tem um outro conceito, lucrativo no ponto de vista social, ambiental, de reestruturação das zonas urbanas e das zonas industriais.

- Quer exemplificar com algum projecto em particular?

Ainda não quero falar em projectos particulares. O que eu queria deixar aqui bem vincado é que o investimento reprodutivo, neste conceito que eu lhe dei, deve estar em mente no próximo mandato. Mais: espero ganhar, espero que o CDS ganhe, mas caso não ganhe, que o próximo Executivo tenha isto em mente. Depois, quero dizer que devemos estar preocupados com a população idosa. A população portuguesa tem vindo a envelhecer, não nos devemos esquecer nunca desta faixa etária, mas para nós chegarmos à população idosa há varias etapas da nossa vida e uma autarquia, nas suas funções, nunca se poderá esquecer dessas etapas até chegar à população idosa. E estou-me a lembrar das crianças. Há que investir fortemente na educação, aliás como se tem investido, verdade seja dita, tal como nos outros executivos anteriores. As crianças são os homens e as mulheres de amanhã, devemos investir seriamente na população jovem, naquela que ainda é estudante e tentar desvia-los de mercados que me parece estão completamente liberalizados, e julgo que a nossa preocupação se deve centrar aí. Os jovens à procura de um primeiro emprego não devem ser esquecidos devido às fortes dificuldades que sentem ao entrar no mercado de trabalho. E, é evidente, nunca esquecendo a população idosa, através da eliminação de barreiras que diariamente lhes vão aparecendo. Se nós nos preocuparmos com estas faixas, as crianças, os jovens, os jovens estudantes, os que estão à procura do primeiro emprego, os idosos… se reparar estamos aqui a atingir a uma série de iniciativas no que diz respeito quer à educação, quer à cultura, quer ao desporto, quer aos cuidados para com a população idosa. Por último, gostava lhe dizer que Albergaria começou a ser conhecida, não só pelas vias de comunicação que a atravessam, mas também pela forte zona industrial implementada. Devemos apostar fortemente na zona industrial. Temos ideias definidas sobre o que queremos ver nascer na zona industrial. A forma de crescimento da zona industrial e o crescimento do concelho passa pelo crescimento da zona urbana e da zona industrial, uma simbiose entre ambas.

- Isso significa alargar a zona industrial existente ou criar uma nova de raiz?

A noção que eu tenho é que criar zonas industriais de raiz nos custam imenso dinheiro. Portanto se nós estamos numa fase em que temos que poupar e rentabilizar o que temos, penso que devem ser aproveitadas as infra-estruturas já existentes, e a actual zona industrial deve crescer, como será natural.

- A sua candidatura já tem grandes linhas de acção definidas.

Sim, casos de proceder ao relançamento da zona industrial e represtigiar o município que eu acho que também é algo que devemos ter em conta. Relativamente à população idosa, acho que temos que dar continuidade ao trabalho que tem sido feito. Nem tudo o tem sido feito esta mal, o que está mal feito tem de ser revisto, o que está bem feito pode ser melhorado. Quando nos candidatamos, acho que nunca podemos dizer: «está bem feito, paramos por aqui». Penso que devemos ir mais além, até o actual Executivo, nas suas linhas gerais, sabe que, mesmo aquilo que fez bem feito, vai pretender melhorar. Na questão dos idosos tem vindo a ser feito um bom trabalho, e vamos apenas tentar melhora-lo em alguns aspectos, pois cada um tem o seu modo de actuar e nós teremos o nosso.

- Se for eleito qual é primeira medida que vai tomar?

A primeira medida que irei tomar quando chegar à Câmara, depois de cumprimentar os funcionários, será reestruturar alguns serviços da autarquia.

- A reestruturação passa também pelos SMA ou apenas pelos serviços administrativos e técnicos?

Passará pela reestruturação de alguns serviços, não só pela Câmara Municipal mas também pelos Serviços Municipalizados.

José Manuel R. Silva / Diário de Aveiro, 11/07/2005

CDS admite acordo local com PS para afastar PSD

O CDS-PP "está disponível para entendimentos com outras forças partidárias que, tal como nós, estejam apostadas em mudar a política local", declarou, ontem, o presidente do partido, Ribeiro e Castro, durante um almoço, em Albergaria-A-Velha, que assinalou o arranque da campanha eleitoral dos populares naquele concelho - que os centristas perderam, há quatro anos, para o PSD - e que contou com a presença de Paulo Portas

"Albergaria enganou-se há quatro anos e apeou o CDS do poder. Mas, agora, é tempo de corrigir o erro e voltar a dar nova oportunidade ao nosso partido, depois de verificar o logro em que caiu", sublinhou, perante uma plateia de cerca de 1200 pessoas.

O ex-líder do CDS esteve ao lado de Ribeiro e Castro, ontem, no distrito de Aveiro, por onde foi eleito deputado, mas não discursou. "O partido tem um líder legítimo e , pela minha parte, quando entender falar, falarei acerca da política local e nacional", disse Portas.

"Hoje, vim ajudar quem antes me ajudou, nada mais", disse, em Albergaria-a-Velha. Mais tarde, em Sever do Vouga, instado pelos jornalistas, sobre o seu silêncio político, acrescentou que apenas deixou de ter "contacto com os jornalistas, com o público não!".

Presidente da Câmara de Albergaria-a-Velha durante 16 anos, Rui Marques perdeu as eleições há quatro anos. Desta vez vai em número dois, alegadamente por razões profissionais. Coube-lhe abrir as hostilidades contra o adversário que o arredou da autarquia, o social-democrata João Agostinho, que acusou de ter trocado "projectos estruturantes por uma cultura de imagem pessoal e pelos passeios e pelas festas". Na mesma linha, o candidato à Câmara, Carlos Resende, disse que o concelho "pouco ou nada mudou nestes quatro anos, e, se mudou, foi no sentido da regressão".

"Em três anos - acusou - a despesa corrente da Câmara aumentou 29%, mas ironicamente Marques Mendes diz que João Agostinho é um gestor de grande rigor".

Carlos Resende manifestou-se preocupado por o desemprego no concelho ter ultrapassado os 7,5%. "Muito acima da média nacional", assinalou. Quanto a projectos, garantiu que apostará na criação de um centro de formalidades e de um gabinete de atendimento ao munícipe. E comprometeu-se afazer a discussão pública dos investimentos mais importantes e caros.

JN, 26/9/2005
 Manifesto Eleitoral

Decidi aceitar este desafio, depois de ter reunido um conjunto de pessoas capazes, com provas dadas, e que, ao longo dos anos, muito de si deram a este maravilhoso Concelho.

Na última votação para a Câmara Municipal, vencemos 6 das 8 Freguesias. Neste mandato, fomos dando o benefício da dúvida ao actual Presidente da Câmara Municipal, mas, a acumulação de erros, a falta de perspicácia, a inércia, o desprestígio a que o Município está votado, exigem uma alteração à actual situação.

Começou-se com uma auditoria ao mandato do executivo anterior, que acabou por demonstrar a boa gestão efectuada. Continuou-se com um vergonhoso inquérito, mandado fazer pelo Sr. Presidente da Câmara Municipal. Mais recentemente, fomos confrontados com o não cumprimento de um contrato préviamente estabelecido, para além dos erros de gestão que se vão acumulando.

Tem-se vivido de imagem e de revistas. Percebemos o descontentamento que existe. É urgente represtigiar a Instituição Municipal e é com esse objectivo que nos candidatamos.

Ao Dr. Rui Marques, uma palavra de agradecimento por acreditar neste projecto, mostrando disponibilidade total para emprestar à nossa equipa um conjunto de conhecimentos adquiridos, que certamente nos servirão para enfrentar os problemas da nossa Comunidade Concelhia.

Um abraço amigo,

Carlos Resende
Eleições Autárquicas 2005 – Programa Eleitoral

Represtigiar o Município e Retomar o Desenvolvimento
Represtigiar o Município representa torná-lo exemplo no quadro dos Concelhos envolventes, nas vertentes do desenvolvimento urbano ordenado, da cultura e da satisfação geral dos interesses dos seus munícipes.

Retomar o Desenvolvimento significa consolidar o melhor existente e avançar com novo impulso em áreas específicas como a criação e implantação de novas unidades na Zona Industrial, e a criação de pequenos polos industriais nas Freguesias com potencial para o efeito.

Significa parar com uma certa degradação no nosso perímetro industrial, no que diz respeito a infra-estruturas, responder a queixas dos investidores, que não têm a sua vida facilitada com a falta de capacidade de resolução de problemas pendentes, e do estímulo a novas iniciativas.

Mesmo em tempo de crise, a nossa Zona Industrial é sempre apelativa para empreendedores, desde que devidamente fundamentadas as suas potencialidades e estabelecido um diálogo permanente com os empresários na busca de soluções para os problemas, o que não tem sido assumido pela Câmara Municipal com o devido carinho.

Não se podem separar estas duas propostas essenciais, as quais têm em vista consolidar o emprego existente e criar mais postos de trabalho, base fundamental para aumentar a procura da habitação, melhorar a actividade comercial, e dar vida a propostas diversas nas áreas cultural e social.

Em suma, fazer com que o concelho dê um novo salto em frente, que lhe altere a imagem de paralisia que se sente no seu dia-a-dia.

Conseguiremos tudo isto com:

    Criação de um Gabinete de apoio ao investidor / apoio às questões da Zona Industrial.
    Construção de um espaço – Centro de empresas / Centro de Formalidades.
    Estímulo à Conciliação entre as actividades profissionais e vida Familiar (protocolos com as empresas).
    Propor a revisão da taxa do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis)
    Criação de incentivos à fixação de casais Jovens nas Freguesias do Interior.

O Gabinete de apoio ao Investidor terá, como principal função, dar a conhecer a nossa Zona Industrial, potenciar este espaço e tornar menos burocrático todo o processo de instalação das unidades industriais, desde a aquisição dos terrenos.

Este gabinete, deverá ter um papel preponderante como intermediário entre investidor e todos os contactos a efectuar. Deve ser aligeirado todo o processo, de forma a minorar os custos.

O Centro de Empresas congregará uma série de serviços que permitam, tanto ao trabalhador como à entidade empregadora, resolver uma série de assuntos. Esta deverá ser a grande aposta na Zona Industrial, juntamente com a sua expansão.

Este crescimento não deverá ser dissociado do crescimento da Zona Urbana, que deverá ser ordenado/reordenado, consagrando políticas de requalificação, bem como a garantia de Zonas Verdes e infra-estruturas de comércio, lazer, cultura e recreio, humanizando os ambientes urbanos.

Estimular o aproveitamento dos espaços urbanos no interior da sede do Concelho que, pelo seu estado actual, dão uma má imagem da Autarquia e constituem uma descontinuidade no seu ordenamento. A resolução destes problemas será possível com entendimentos e protocolos a efectuar com os proprietários.

Os novos investimentos, deverão começar exactamente pelos que já foram iniciados  em outros mandatos e que se encontram parados.

    Cine-Teatro Alba (Casa Municipal da Cultura)
    Fábrica de Papel de Vale Maior (Requalificação)
    Quinta do Torreão (Requalificação)

Estes três investimentos de montante significativo necessitam, urgentemente, de uma intervenção de fundo, ou de uma requalificação. Resolvidos estes ou alguns destes problemas, urge continuar a apostar na educação, na cultura, no desporto, nos serviços colectivos, na saúde, na assistência social, com políticas que tiveram início em outros mandatos. É claro que os investimentos terão que ser realizados de forma concertada e nunca esquecendo o IV QCA (próxima fonte de financiamento dos Municípios).
 

Desporto

Nem tudo o que foi feito está mal. O que está bem, devemos melhorar, o que está mal, devemos inverter. O desporto foi uma das grandes apostas dos executivos liderados pelo Dr. Rui Marques.

Esta é uma das áreas onde pretendemos dar continuidade ao trabalho iniciado, com a cobertura total das nossas Freguesias, com pavilhões gimnodesportivos:

    Apoiar a construção do pavilhão de Alquerubim
    Apoiar a construção do Pavilhão de Telhadela (G D Telhadela)
    Apoiar a  construção do Pavilhão de Angeja


Saúde e Assistência Social

Na Saúde e Assistência Social será concerteza uma preocupação, merecendo da nossa parte, uma vigilância apertada.

É certo que a população idosa tem vindo a aumentar, mas também é certo que é nossa obrigação dar uma resposta a tal situação:

    Apoio às acções de voluntariado social – Reforçar o apoio aos movimentos e associações cívicas que prestem serviços no âmbito do voluntariado social, nomeadamente no combate à pobreza,  exclusão social, marginalização.
    Apoiar a construção da extensão de saúde da Ribeira de Fráguas.
    Melhorar as condições físicas das unidades de saúde, facilitando o acesso aos deficientes e idosos.
    Há que apostar nas unidades intermédias de cuidados intensivos em protocolos a realizar com as instituições locais de apoio aos idosos e dependentes, de forma a melhorar o atendimento e qualidade de vida daqueles grupos.

As crianças serão os Homens/Mulheres de amanhã. Temos que lhe dar as condições necessárias para que se eduquem, cresçam em harmonia.

    Conservação dos espaços existentes.
    Promoção de parcerias de Pais / Professores / e entidades locais para actividades concertadas.


Habitação e Serviços Colectivos

Relativamente à Rede Viária, a nossa preocupação deverá ser a eliminação dos pontos negros de sinistralidade e conflitualidade, assim como a ligação da sede do Concelho às Freguesias interiores, não esquecendo a conservação das mesmas.

Pretendemos, acima de tudo, que a nossa comunidade Concelhia cresça em Harmonia, sendo necessário, para o efeito, dar continuidade à revisão do PDM, retomar os planos de urbanização que se encontram parados, tornar os serviços mais próximos do cidadão, com a criação do Posto de Atendimento do Cidadão.

A propósito da criação do Posto de Atendimento do Cidadão há que referir um certo descontentamento dos Munícipes quanto à forma de aceitação das suas pretensões, o que nada tem a ver com o desempenho dos funcionários municipais mas sim com os responsáveis políticos da principal Autarquia do Concelho.

Sabemos que os Munícipes querem mais acção e menos exibição. Preconizamos, por isso, reordenamento e melhoria funcional dos Serviços da Autarquia:

    É necessário dotar o nosso concelho de uma rede de transportes urbanos, em moldes a estudar.
    A criação de condições de acessibilidades para deficientes/idosos deverá ser fomentada.


Segurança e Protecção Civil

Reforçar a segurança dos cidadãos contra a criminalidade e a delinquência, de forma a permitir que, as pessoas, possam viver com tranquilidade e com a confiança de que podem exercer, com liberdade, cada um dos seus direitos.

As políticas de reforço da segurança dos cidadãos, passam pela criação de condições mais propícias para o exercício das funções das forças policiais e por medidas destinadas à realização de uma maior coesão social e de combate à exclusão social.

Estamos certos que, nos dias de hoje, as questões de segurança são dos elementos mais preponderantes na fixação de residentes. O nosso Concelho, nesta matéria, tem registado algumas preocupações. Devemos investir, fortemente, na prevenção.

É nossa intenção, retomar as negociações com o Ministério da Administração Interna, no sentido de existir um Quartel da GNR a Norte do Concelho. Relembramos que, o mesmo, já esteve inscrito em PIDACC (Quartel da GNR da Branca).

Relativamente aos Bombeiros Voluntários de Albergaria-a-Velha, esta novela que já se arrasta há algum tempo, deverá terminar a BEM DE TODOS.

Os Bombeiros Voluntários merecem, não só pelo sacrifício e abnegação que sempre demonstram nas tarefas que desempenham, como também pela credibilidade alcançada durante as difíceis intervenções a que são obrigados. Despidos de exibicionismo, não devem ser figurantes nos “palcos” que outros aproveitam para serem vistos.

Com este conjunto de medidas, temos a certeza que promoveremos o Desenvolvimento Sustentado do nosso Concelho, sob o ponto de vista económico, social e cultural.
 
Carlos Resende 2005 
 -


Candidatura a Albergaria-a-Velha de Carlos Resende

Como contactar a candidatura:
Site: www.carlosresende.com.sapo.pt

Câmara Municipal

Carlos Resende
Rui Marques
Manuel António
Sandra Almeida

Assembleia Municipal

Maria Emília Ribeiro
Saúl Silva
Plácido Silva

Junta de Freguesia de Albergaria a Velha
António Loureiro

Junta de Freguesia de Alquerubim
Joaquim Branco

Junta de Freguesia de Angeja
José Neves

Junta de Freguesia da Branca
Pedro Santos

Junta de Freguesia de Frossos
João Coutinho

Junta de Freguesia de Fráguas
Henrique Martins

Junta de Freguesia de São João de Loure - Arménio Silva

Junta de Freguesia de Vale Maior - Joaquim Bastos

Albergaria-A-Velha é um dos concelhos onde o CDS/PP tem mais esperanças de chegar à presidência. Carlos Resende encabeça a lista que inclui, em número dois, o antigo presidente Rui Marques que foi derrotado em 2001 por 149 votos pelo actual ocupante do cargo, o social democrata João Agostinho.

A vitória foi novamente do PSD de João Agostinho. 

Sem comentários: